- Um comentário

Versão de Neuza Cavalcante sobre o acidente desta última sexta

No dia 08 de Abril (sexta-feira) um cidadão, conhecido como Zué, sofreu um acidente de moto, a própria  chocou-se com uma Kombi e o rapaz sofreu algumas escoriações. Considerando a versão popular de que ele ficou durante longos minutos aguardando o socorro e exposto ao sol forte, buscamos a diretora administrativa da Unidade Mista Maria Tereza Brennand Coelho, na pessoa da Sra. Neuza Cavalcante, com a qual estabelecemos o diálogo que segue:

Janiele/Buenos Em Foco: Gostaríamos de saber se a senhora poderia falar a sua versão sobre o que aconteceu com o rapaz que sofreu um acidente. E se procede a informação de que a ambulância do SAMU não estava disponível e que ele teve que ser atendido por outra de fora.

Neuza Cavalcante: Essa informação só a secretária pode lhe dar. A Dra. Tereza. Certo? Acredito que ela deve estar segunda-feira, como ela é a secretária e coordenadora do SAMU. Eu sou a diretora administrativa do prédio (a Unidade Mista).

Almir/Buenos Em Foco: Mas quem fica responsável por enviar a ambulância é a senhora ou ela, quando tem algum acidente? 

Neuza Cavalcante: Não, quando a ambulância estava na ativa e chega o comunicado dos acidentes, aí a gente tem que ligar pro SAMU. É o SAMU que libera. Essa ambulancia (do SAMU) não pode sair da base sem autorização da equipe, no caso, da Central (do SAMU). Para essa ambulância se deslocar para qualquer lugar, mesmo que seja aqui na cidade, ela não pode sair da base sem ser comunicado à Central. No momento ela não está na ativa, mas só que, quando ela estava na ativa, qualquer coisa tem que a Central liberar.

Almir/Buenos Em Foco: Mas no caso, por exemplo, do acidente de ontem, tem que ser com a ambulância do SAMU? Não pode ser com a comum?

Neuza Cavalcante: Não pode porque não tem os equipamentos necessários e a equipe treinada para fazer um socorro daquele (do de sexta). Porque a gente não sabe a gravidade do ocorrido. Ele (Zué) poderia ter quebrado qualquer coisa ali e, assim, se qualquer pessoa que não fosse qualificada pegasse, assim, poderia piorar. Então a gente é orientado para não pegar nenhum acidente, principalmente em via pública. 

Janiele/Buenos Em Foco: A senhora saberia dizer o motivo da ambulância do SAMU daqui estar parada?

Neuza Cavalcante: Não. Isso aí é com a secretária, que é a coordenadora (do SAMU). Só ela é que pode lhe informar. Certo? Eu só tô passando o que eu sei, que não pode, que tem que ser com equipe treinada. 

Almir/ Buenos Em Foco: A senhora realmente esteve lá como foi falado (pela população)?

Neuza Cavalcante: Eu estive. Estive e liguei para o SAMU.

Almir/Buenos Em Foco: Quanto tempo a ambulância demorou para chegar?

Neuza Cavalcante: Essa ambulância (a que prestou socorro), é, quando eu liguei, foi solicitada de 09:26, aí ela chegou de 09:48.

Almir/Buenos Em Foco: Então está certo. Qualquer dúvida a gente procura a secretária.

Neuza Cavalcante: É, à secretária. Tá certo? Aí assim, eu não tenho autorização até porque ela é a coordenadora. Sabe? Aí, assim, só ela que pode passar essas informações. O que eu estou lhe passando é que realmente eu sei que em via pública não pode. Se for tiro, facada, essas coisas, eu vou buscar em qualquer lugar. Mas quando é um acidente de carro, não pode porque, se quebrou alguma coisa, uma coluna, deu um desvio na coluna, só o pessoal treinado.

Almir/Buenos Em Foco: Essa seria a sua versão e o que tem a falar sobre ontem?

Neuza Cavalcante: É, infelizmente, o nosso (SAMU) não tá funcionando e eu não poderia pegar essa ambulância e levar por conta disso: porque tem que ter uma equipe treinada e, inclusive, na hora (do socorro) eu mandei irem lá socorrer. Eu achava que era uma coisa mais simples. Só que, quando veio, só veio o dono da Kombi porque ele não estava gravemente ferido. Estava em pé, só sofreu alguns cortes superficiais, mas aí o que estava deitado eu não poderia mexer e nem deixar (mexer). Inclusive eu fui lá e liguei para o SAMU e ela (a atendente da Central) disse que já estava seguindo, dez minutos depois da primeira chamada. Mas aí eu fiquei muito preocupada e voltei para falar com o médico. Ele disse: "Olhe, dona Neuza, eu não posso. A senhora sabe que tem que ser uma equipe treinada pelo SAMU, porque o SAMU tem uma maca que já é própria pra isso." Inclusive, eu até mandei um colete para colocar, mas o SAMU trouxe. Aí o médico disse: "Olhe, eu lhe aconselho a ter um pouquinho de paciência e esperar o SAMU, porque são equipes treinadas para fazer isso. Se eu chegar lá, pegar esse rapaz e colocar na ambulância, se ele tiver algum problema na coluna, ou alguma coisa, então eu vou ter que ser responsável por isso." E, assim, em via pública a gente não pode socorrer se for acidente.

Almir/Buenos Em Foco: A ambulância do SAMU veio de que cidade?

Neuza Cavalcante: Nazaré. De uma base que fica próxima à rodovia. Em nenhuma cidade ambulância pega (a vítima). Nós somos proibidos de pegar, tem que ser o SAMU para transportar porque ali ele tem a equipe dele já.

Almir/Buenos Em Foco: A ambulância daqui está funcionando normalmente? É uma ou mais de uma? 

Neuza Cavalcante: Tem uma aqui e outra em Lagoa do Outeiro, no momento. Na hora do aperto temos outros carros, não ambulância, mas quando precisa é só ligar (os funcionários da Unidade Mista) e Jadiel (secretário de transportes) manda. 

Almir, Janiele/Buenos Em Foco: Obrigado (a).

Neuza Cavalcante: De nada. Infelizmente mais informações você vai segunda-feira, conversa com ela (a secretária de saúde). 


Reafirmamos, portanto, que iremos procurar a secretária de saúde do município no próximo dia 11 de Abril - segunda-feira. Lembramos que, no site do Portal da Transparência do Governo Federal, é informado que o repasse para manutenção do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no município de Buenos Aires é de R$ 13.125,000 (Treze mil, cento e vinte e cinco reais). Você pode conferir aqui. Para ter acesso aos valores de outros recursos, acesse aqui.

Seguem algumas imagens no local do acidente:





Segue abaixo um vídeo do momento em que o rapaz aguardava o socorro:

Um comentário:

Conte-nos o que acho disso!